EFEBruxelas

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, recordou esta quinta-feira à Rússia a sua dependência económica e comercial da UE e salientou que irá responder com sanções "massivas" se este país atacar a Ucrânia.

"A UE é de longe o maior parceiro comercial da Rússia e também de longe o seu maior investidor. Esta relação comercial é importante para nós, mas é bem mais para Rússia", disse Von der Leyen durante a sua intervenção no Fórum de Davos.

Depois de uns "dias intensos de diplomacia em diferentes formatos" na semana passada, nos quais Moscovo "fez as suas propostas" e os países europeus deixaram claras as suas, a alemã sublinhou que a UE não aceitará a lógica das "esferas de influência" que, na sua opinião, o Kremlin tenta promover.

"Não voltaremos à lógica antiga de competição e esferas de influência em que países inteiros eram tratados como posses ou pátios traseiros", afirmou Von der Leyen.

Assim, reiterou que a UE "reafirma a sua solidariedade com a Ucrânia" e com outros parceiros europeus "ameaçados pela Rússia" e "continua a defender o princípio fundamental de que a Ucrânia é livre de decidir como Estado soberano".

"Para sermos claros: queremos este diálogo; queremos que os conflitos sejam resolvidos nos organismos pensados para isso. Mas se a situação piorar, se houver novos ataques sobre a integridade territorial da Ucrânia, responderemos com sanções económicas e financeiras massivas", advertiu.

"Esperamos que não aconteça, mas se acontecer, estamos dispostos", disse a presidente da Comissão Europeia.

A chefe do Executivo comunitário sublinhou que "a comunidade internacional é firme" e ressaltou que as "dificuldades" estão relacionadas com as "perigosas políticas do Kremlin" e não com o país em si ou a sua população.