EFEPequim

O presidente da China, Xi Jinping, disse esta segunda-feira, num discurso na conferência virtual Agenda Davos, do Fórum Económico Mundial, que nenhuma corrente poderá impedir "a tendência da globalização".

O líder chinês fez também um apelo à comunidade internacional para que "elimine barreiras" em vez de "construir muros" e que se "oponha ao protecionismo".

Xi, que participou no evento por videoconferência a convite do fundador do Fórum de Davos, Klaus Schwab, enfatizou a importância da cooperação no combate à pandemia, ao mesmo tempo em que pediu um "fornecimento equitativo" de vacinas contra a covid-19.

"Estamos todos juntos num grande barco", afirmou.

O presidente chinês, que já discursou três vezes no Fórum Económico Mundial, também disse que a economia da China "não deve crescer às custas do meio ambiente", embora tenha acrescentado que o país "não deve sacrificar o seu crescimento para proteger o meio ambiente".

Ainda de acordo com o líder chinês, os países devem "proteger o verdadeiro multilateralismo", "remover barreiras" em vez de "construir muros" e defender "mais integração" em vez de "desacoplamento" económico.

"A pandemia está-se a mostrar duradoura, e novas variantes estão a fazer com que se espalhe mais rapidamente", declarou Xi, que pediu "forte confiança e cooperação" como a única maneira de enfrentar o vírus e advertiu que "acusações de culpa" só atrasam a ação contra a crise sanitária global.

Sobre a questão climática, Xi reiterou que o mundo deve aderir ao princípio de "responsabilidades comuns, mas diferenciadas", e encorajou "economias desenvolvidas" a "assumir a liderança" no cumprimento das metas de redução das emissões de carbono.

O Fórum Económico Mundial cancelou pelo segundo ano consecutivo o seu grande evento anual, o Fórum de Davos, devido à incerteza criada pela disseminação da variante Ómicron do coronavírus. Em vez disso, está a organizar a Agenda Davos 2022, uma série de apresentações e discussões virtuais entre os líderes da política e economia global.