EFECáceres

O Festival de Teatro Clássico de Cáceres, que este ano celebra o seu trinta aniversário, arranca este sábado com 40 propostas teatrais e culturais que se poderão ver até o dia 30, entre elas 19 representações, sete delas estreias.

A mostra será aberta esta tarde por Rafael Álvarez "El Brujo" com o seu último espetáculo, primícia na capital cacerense, "Duas tábuas e uma paixão", que também se porá em cena amanhã no Grande Teatro, palco que acolherá além disso por exigências técnicas "El desdém do desdém", da Jovem Companhia Nacional de Teatro Clássico, o 21 e 22 de junho.

El resto de propostas da seção oficial "Cena Clássica" se realizarão nas praças de São Jorge e os Cata-ventos, a concatedral de Santa María, a igreja do Precioso Sangue e o palácio da Fundação Tatiana de Guzmán el Bueno.

Dramaturgos, diretores, atores e músicos como Yolanda Pallín, José Carlos García, Carolina África, Tiago Viegas, Ricardo Iniesta, Paloma Mejía, Yayo Cáceres, Francisco Suárez, Juan Copete, Carmen Galarza, Eduardo Vasco, Guillermo Serrano, Héctor Carballo, Pepa Zaragoza e Marco Scalvini, entre muitos outros, mostrarão os seus trabalhos durante este mês em Cáceres.

A presença internacional a porão a companhia dinamarquesa "Odin Teatret", na seção paralela o "Laboratório do Clássico", e a portuguesa "Compahnia do Chapitô", que fechará o festival o 30 de junho nos Cata-ventos com a sua versão de "Hamlet", ambientado numa multinacional e com um estilo cômico e mordaz.