EFEValastillas (Cáceres)

Os cerejeiros do Vale do Jerte (Cáceres) realizaram um balanço "positivo" da campanha de 2019, na qual, com dez dias para a sua conclusão, preveem colher cerca de 18.000 toneladas de fruta que tiveram "um mercado favorável".

Estes dados foram assinalados esta quarta-feira o presidente do Agrupamento de Cooperativas do Vale do Jerte e da Denominação de Origem Protegida "Cereja do Jerte", Emilio Sánchez, após acompanhar a conselheira de Agricultura, Desenvolvimento Rural, População e Território, Begoña García, numa visita às suas instalações de Valdastillas.

Em declarações à imprensa, Emilio Sánchez afirmou que o balanço de campanha é "positivo", porque no final vai-se recolher perto de 18 milhões de quilos e porque o mercado está favorável a este produto.

"Os agricultores fizeram os seus deveres este ano. Em tamanho não nos podemos queixar e a qualidade fá-la a tempo, pelo que é uma boa campanha que já há anos que não tínhamos, tomara cheguem algumas mais destas", sublinhou.

Por sua parte, a conselheira reiterou a "aposta clara" que se realizou este ano em matéria de seguros na cereja, algo que vão continuar a melhorar nos próximos anos.

García indicou que os agricultores "fizeram os seus deveres e estão a apresentar um produto não só com grande calibre mas com muita qualidade".

"Cada ano, além disso, o Agrupamento de Cooperativas trabalha na diferenciação do produto no mercado e, pela primeira vez, em muitas grandes superfícies já aparece identificada como a nossa Denominação de Origem, com o qual também nos está a posicionar no mercado", precisou a conselheira.