EFEMérida

O Conselho Sindical Interregional Extremadura-Alentejo aprovou por unanimidade na sua assembleia geral um manifesto no qual reivindicam a melhoria da conexão ferroviária entre ambos países e abordou como melhorar as condições laborais dos trabalhadores transfronteiriços.

As quatro forças sindicais que compõem este conselho -os sindicatos espanhóis CCOO e UGT e os portugueses UGTP e CGTP- reivindicaram aos Governos de Espanha e Portugal a culminação da linha de alta velocidade entre Madrid e Lisboa e a potencialização do comboio convencional entre a Extremadura e o Alentejo.

No documento lembra-se que as duas regiões fronteiriças "nunca receberam um tratamento favorável" no desenvolvimento da rede ferroviária, o que representou "um entrave determinante" no seu desenvolvimento económico e na sua coesão social, segundo informam em comunicado.

Com a aprovação deste manifesto na sua assembleia, o Conselho Sindical Interregional Extremadura-Alentejo apoia expressamente o Pacto pela Ferrovia da Extremadura, dizendo que é fundamental "juntar esforços em ambos lados da fronteira para poder pressionar os distintos governos para exigir infraestruturas dignas".

Por outra parte, na reunião foi abordada a situação de precariedade e temporalidade que muitos trabalhadores transfronteiriços sofrem como consequência das diferenças na legislação laboral e quantia de salários entre ambos países.

Estes problemas são especialmente vividos em setores como o transporte ou as empresas de Call Center que se estão a instalar em Portugal e que contratam trabalhadores da Extremadura, explicaram.

O Conselho disse que procura ver como pode intervir sindicalmente nesta problemática para evitar os "abusos" e para que as condições de trabalho e salários sejam dignas.