EFEBadajoz

A Jovem Orquestra Nacional de Espanha está de regresso à Extremadura, depois de 22 anos desde o seu último concerto na região, para interpretar a 21 de junho a Nona Sinfonia de Gustav Mahler, uma peça que se ouve na região pela primeira vez dentro da programação do XXXIV Festival Ibérico de Música de Badajoz.

O ciclo pacense, que se realiza entre o próximo dia 19 de maio e 21 de junho, terá também como atrativos a presença da violinista Patricia Kopatchinskaja e a inclusão, pela primeira vez no festival, de um espetáculo de dança.

Tanto o presidente da Filarmónica de Badajoz, Javier González, como a secretária geral autonónoma de Cultura, Miriam García Cabezas, e a vereadora pacense da área, Paloma Morcillo, que participaram junto a outras autoridades na apresentação do evento, destacaram a importância desta reunião cultural.

Javier González destacou a presença da Jovem Orquestra Nacional de Espanha, uma academia de jovens promessas e que regressa à Extremadura após muitos anos de ausência.

No seu concerto, que fecha o festival, vai-se ouvir a Nona Sinfonia de Mahler, na que será a primeira interpretação na Comunidade Autónoma desta obra do compositor boémio.

O evento abre a 19 de maio com a participação junto à Orquestra da Extremadura (OEx) da solista Patricia Kopatchinskaja, cujo circuito de atuações se centra nos grandes palcos musicais, pelo que é "um orgulho" poder contar com a violinista de origem moldava.

Junto a estes dois "marcos" encontra-se a inclusão, pela primeira vez, de um espetáculo de dança, graças ao espetáculo "Castor y Pollux", do Ballet do Conservatório Superior de Dança de Valência (a 20 de maio).

O festival ibérico inclui ainda um concerto (a 26 de maio) da "Ensamble Bonne Corde", onde se vai interpretar a música de Almeida Mota (1744-1817), e o concerto teatralizado "A História de Babar, o Pequeno Elefante" (27 de maio), para além do "VII Festival Jovem" e da atividade "Música na Rua".