EFEMérida

Um total de 26 investigadores participaram na elaboração do livro "História de Mérida" que, em dois volumes e através de 1.500 páginas a cor, faz um percurso pela vida da cidade desde as suas origens até à época contemporânea.

A obra, editada pelo Consórcio da Cidade Monumental de Mérida, foi hoje apresentada na sede desta entidade num ato que contou com o coordenador da obra, Juan Carlos López; o autarca, Antonio Rodríguez Osuna; e o diretor-geral de Bibliotecas, Museus e Património Cultural, Francisco Pérez Urban.

O primeiro volume da obra abrange desde os precedentes da fundação da cidade até ao fim do período medieval, enquanto o segundo percorre a idade moderna e contemporânea.

Para Juan Carlos López, "são poucas as cidades que se podem congratular" de contar com um trabalho tão exaustivo da sua história ao longo de 1.500 páginas.

López descreveu a elaboração desta obra como um "feito", além de ressaltar que "um livro de história deve ser sempre uma boa notícia" pois permite "conhecer uma parte da nossa visão do passado que legamos a gerações futuras".

Segundo a sua opinião, a etapa contemporânea é "paradoxalmente" a menos conhecida de Mérida e, nesse sentido, explicou os poucos estudos que existem à volta da etapa franquista na cidade.

O livro arranca na Idade do Ferro, analisa a fundação da cidade pelo imperador Octavio Augusto, com algumas novidades da época romana, e ressalta a importância que Mérida também teve na época medieval, quando continuou a ocupar um lugar importante no sudoeste peninsular, explicou o seu coordenador.

Também recolhe "coisas que não se sabiam da idade moderna", uma etapa na qual Mérida perdeu uma relevância que voltou a recuperar com a chegada dos caminhos de ferro no século XIX.

Por sua parte, Antonio Rodríguez Osuna destacou que esta obra representa uma "radiografia mais completa pelo passado da cidade de Mérida" desde uma perspetiva científica.