EFEMérida

O secretário de Estado de Florestas e Desenvolvimento Rural de Portugal, Miguel Freitas, considerou que a estrada que vai unir Madrid e Lisboa por Moraleja (Cáceres) e Castelo Branco irá ser um projeto "muito importante" que vai contribuir para mitigar o despovoamento que afeta ambos os lados da Raia.

Freitas, que participa no Fórum Internacional de Sistemas Alimentícios Sustentados realizado em Idanha-a-Nova em coincidiencia com a Feira Raiana, informou de que o projeto da nova estrada entre Moraleja e Castelo Branco está no Ministério de Infraestruturas de Portugal, "que tomou a decisão de executar essa obra", segundo recolhe um comunicado da organização do evento.

Responsáveis de ambas administrações têm acordado avançar neste projeto que irá permitirá a ligação rodoviária entre Moraleja e Castelo Branco através de Monfortinho, o que na prática vai permitir ligar a estrada autonómica da Extremadura EX-A1 com a A-23 portuguesa.

A EX-A1, que deveria unir Navalmoral de la Mata com Termas de Monfortinho, finaliza atualmente em Moraleja, depois de que a Junta da Extremadura optou por paralisar o projeto à espera do Governo portugués tomar iniciativa, explicou a organização da feira.

A decisão do país vizinho de dar continuidade à estrada e finalizar os aproximadamente 60 quilómetros que faltam para completar o traço abre novas possibilidades de desenvolvimento a ambas as zonas transfronteiriças.

Neste sentido, o alto líder português disse que "os acessos são muito importantes para a relação entre os povos" e insistiu na necessidade de trabalhar para lutar contra o despovoamento que afeta toda a região transfronteiriça de ambos os países.

Freitas assinalou que a euro-região EUROACE que integram o Alentejo, a Região Centro de Portugal e a Extremadura está a dar passos muito importantes em matéria de cooperação transfronteiriça, embora insistisse na necessidade de passar das palavras aos factos.

Segundo o secretário de Estado de Florestas e Desenvolvimento Rural do Governo de Portugal, Idanha-a-Nova é um exemplo de como deve fazer-se a transformação que impulsione as zonas rurais junto a municípios como Moraleja.

Freitas também considerou que "depois da cooperação institucional é necessário avançar na cooperação entre as empresas" e destacou os trabalhos que se estão a fazer conjuntamente com a Organização das As Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) encaminhados à produção de alimentos mais saudáveis.