EFECáceres

A Secretaria de Meio Ambiente extremenha apresentou esta segunda-feira em Cáceres o primeiro programa educativo da agenda "Extremadura 2030", que pretende informar sobre o potencial natural da região e as suas oportunidades de gerar riqueza sustentável e emprego, que conta já com o envolvimento de cem escolas.

O diretor-geral de Meio Ambiente, Pedro Muñoz, e o coordenador de Ação Local da Junta da Extremadura, Santos Jorna, foram os encarregados de apresentar o projeto educativo de economia verde e circular da região, acompanhados pelo diretor do escritório de Meio Ambiente da Universidade da Extremadura, José María Corrales, e o produtor audiovisual Andrés Bernal.

No marco desta estratégia foi criada a rede de escolas com experiências verdes e circulares, atualmente uma centena na região, segundo expôs o Governo da Extremadura em comunicado.

Nestes trabalha-se em ações para a aprendizagem dos recursos naturais e a sua relação com a luta contra a mudança climática, a alimentação saudável, o consumo responsável, o desafio demográfico e o desenvolvimento de capacidades individuais empreendedoras.

Neste sentido, Muñoz reivindicou que "este seja um primeiro pacote de materiais destinado a que a educação seja a base com a qual o conhecimento do meio extremenho leve a cidadania a saber avaliar nossos recursos".

Um dos materiais apresentados hoje foi o "passaporte verde e circular da Extremadura", que procura promover o conhecimento, o uso responsável e o aproveitamento lúdico de quinze áreas protegidas da Extremadura, contribuindo para assegurar a sua preservação e de que seja fonte de inovação para projetos sustentáveis geradores de riqueza e emprego.