• Endesa consolida-se como líder de clientes industriais elétricos em Portugal
  • Lisboa, 12 fev (EFE).- A elétrica Endesa, que opera no mercado ibérico de produção de energia, consolidou-se em 2017 como o principal distribuidor de eletricidade para os clientes industriais de Portugal.

    Numa entrevista com a Efe, a diretora do departamento do Consumidor da Endesa Portugal, Marta Aner, explicou que em clientes industriais (a partir de um serviço de média tensão) a empresa voltou a manter a liderança durante 2017 "com uma quota, em termos de consumo, de 29%".

    No caso dos consumidores domésticos, a Endesa aumentou no ano passado a sua carteira em 40.000 novos clientes portugueses de luz, graças a singulares campanhas de promoção.

    Desta maneira, segundo Aner, em 2017 a Endesa cresceu 25% até chegar ao valor de 200.000 clientes de luz e 45.000 de gás.

    A respeito do mercado doméstico, a responsável da Endesa avançou que esperam "ter um crescimento similar para os próximos anos" e posicionar-se "como o segundo comerciante antes de 2020".

    Agora, a Endesa é a terceira comerciante em território português com 4% da quota de mercado, embora em 2017 tenha sido "a companhia à qual o maior número de clientes aderiu", assegurou a diretora do Consumidor.

    Na atualidade, o mercado elétrico português, "cada vez com um modelo comercial mais digital e sustentável", sustenta Aner, tem cinco atores principais, dos quais um controla 85% e o resto, entre os quais figura a Endesa, não supera 5% de quota de mercado.

    Um panorama muito diferente ao de Espanha, onde existem três grandes atores dos quais nenhum alcança uma quota de mercado máxima de 40%, e o nível de concentração é muito menor.

    Apesar do alto nível de concentração em Portugal, a Endesa não desiste de continuar a aumentar a sua presença em solo luso e trabalhar para continuar a captar clientes.

    Segundo Aner, em Portugal "ainda há consumidores que não sabem que existe a possibilidade de mudar de companhia", motivo pelo qual a empresa procura "um diálogo permanente" com o cliente.

    "Tivemos que explicar o mercado liberalizado um a um, construindo uma marca desde o zero, captando clientes insatisfeitos com o seu preço com o statu quo do mercado português", apontou.

    A Endesa quis ganhar a confiança do consumidor energético português através da Fatura Digital Interativa, que permite consultar todos os dados associados ao consumo e período de faturação com textos explicativos para o melhor entendimento da fatura.

    Através deste sistema aumentou "notavelmente a satisfação do cliente", assegurou a diretora da empresa elétrica, já que pode "realizar pedidos, comunicar leituras ou remodelações do contrato diretamente desde a fatura".

    A Endesa está presente no mercado de geração de eletricidade portuguesa desde 1993, graças à sua participação na central de carvão de Pego -de 628 Megawattos (MW) de capacidade- e na de ciclo combinado de gás situado em Abrantes, de 851 MW.

    Além disso, foi a primeira empresa que entrou em competição no mercado livre da eletricidade de Portugal, atividade que começou no ano 2000 mediante a comercialização a clientes industriais e em 2009 com clientes domésticos.

    Em 2008 começou a comercialização de gás a clientes industriais e há três anos fez o mesmo com os domésticos.

    A Endesa Energia tem uma faturação anual em Portugal pela comercialização de eletricidade, gás natural e serviços energéticos superiores aos 1.000 milhões de euros.

    A gestão dos seus sistemas e operações desenvolve-se de forma direta desde o próprio país, tendo mais de um milhar de trabalhadores diretos e indiretos, com escritórios físicos tanto em Lisboa como no Porto.

    Carlos García