EFECidade do México

Pelo menos 23 pessoas morreram e 65 foram hospitalizadas devido ao acidente ocorrido no metro da Cidade do México na noite de segunda-feira, quando se rompeu uma viga que sustentava um viaduto da linha 12, entre as estações de Olivos e Tezonco.

A estrutura sobre a qual o metro circulava ruiu e duas das carruagens caíram numa avenida cheia de veículos às 22h20 locais (03h20 GMT de terça-feira).

Os habitantes da região reforçaram imediatamente nas redes sociais as denúncias que já tinham feito sobre as condições precárias da estrutura, que ficou danificada no último grande terramoto que atingiu a capital mexicana, em setembro de 2017.

"Lamentavelmente, o que aconteceu foi o colapso de uma viga na passagem de um comboio. Serão feitas todas as investigações para conhecer as causas deste acidente", informou a chefe de governo da capital, Claudia Sheinbaum, em conferência de imprensa.

Sheinbaum revelou que há menores de idade entre as vítimas, mas não detalhou se estão mortos ou feridos. Segundo a governante, 23 pessoas morreram até ao momento.

"O que aconteceu no metro é uma tragédia terrível. A minha solidariedade com as vítimas e as suas famílias. Evidentemente que devem ser investigadas as causas para que as responsabilidades sejam determinadas. Estou à disposição das autoridades para contribuir em tudo que seja necessário", comentou o ministro dos Negócios Estrangeiros mexicano, Marcelo Ebrard, no Twitter.

A estrutura que entrou em colapso faz parte da linha do metro construída quando Ebrard foi chefe de governo da capital, entre 2006 e 2012.

A linha 12 foi inaugurada a 30 de outubro de 2012 e fechada em março de 2014 por falhas, voltando a reabrir de outubro a novembro em 2015. O trecho foi reinaugurado sob o Governo de Miguel Ángel Mancera (2012-2018) e, posteriormente, segundo os moradores da região, a estrutura foi afetada pelos terramotos de setembro de 2017.

Diversas organizações criticaram a precariedade das instalações do metro da cidade e a falta de manutenção, que causa frequentes interrupções no serviço.

No dia 9 de janeiro houve um incêndio no centro de controlo do metro da Cidade do México, no Centro Histórico, que causou uma morte e deixou 30 trabalhadores intoxicados e seis linhas sem operar.

O metro da capital mexicana transporta cerca de 6 milhões de pessoas todos os dias úteis, sendo assim um dos mais movimentados do mundo, apesar da baixa utilização durante o fim de semana.

O secretário de Governo, José Alfonso Suárez del Real, explicou que os feridos estavam a ser levados a hospitais de Tlahuac e Iztapalapa, a leste da capital.

As primeiras imagens de vídeo mostram duas carruagens a cair sobre a avenida, onde dezenas de veículos passavam no momento. Os serviços de emergência chegaram ao local imediatamente para atender as vítimas e remover o comboio.

No vídeo das câmaras de vigilância do Governo é possível observar a estrutura a ceder durante a passagem do comboio, que caiu de uma altura de cerca de 20 metros, com duas carruagens a formarem um "V" no solo.