EFESão Paulo

O avanço da variante Ómicron do coronavírus volta a pressionar o sistema hospitalar do Brasil, que regista os seus níveis mais altos de casos de covid-19 desde o início da pandemia e já tem em alerta 19 dos seus 27 estados, informaram esta quarta-feira fontes oficiais.

Segundo dados divulgados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o maior centro de investigação no campo da saúde na América Latina, a ocupação das camas de cuidados intensivos no serviço nacional de saúde ultrapassa já 80% em pelo menos sete estados brasileiros, enquanto outros 12 encontram-se em "alerta intermediário", com taxas de ocupação superiores a 60%.

Entre as regiões em nível máximo de alerta, destaque para o Distrito Federal, onde está localizada a capital Brasília, que conta com uma ocupação total das camas de cuidados intensivos para adultos e 13 pacientes em lista de espera.

Os dados da Secretaria da Saúde apontam que 90% dos internados nesta zona são pessoas que não estão vacinadas ou sem a imunização completa, uma tendência que se repete nos hospitais de todo o país.

Além do Distrito Federal, os estados brasileiros que estão em alerta pela alta taxa de ocupação de cuidados intensivos são Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte.

Os dados da Fiocruz mostram que o número de internados por covid-19 nos cuidados intensivos cresceu em 19 dos 27 estados do Brasil em apenas uma semana.

Atualmente, e devido ao rápido avanço da variante Ómicron, o Brasil tem visto uma média recorde de 150.000 infeções por dia.