EFEBruxelas

A Bélgica dá esta quarta-feira um passo em frente no seu desconfinamento e está quase perto da normalidade: o uso de máscara na rua já não é obrigatório em Bruxelas, bares e restaurantes prolongam o horário de abertura e abrem as suas zonas interiores, pode-se ir ao escritório uma vez por semana e os vacinados podem viajar com menos restrições.

O plano de vacinação está a progredir a bom ritmo e os números de hospitalizados melhoram, o que permite ver (quase) a normalidade na Bélgica, onde a primeira fase do Plano de Verão entra hoje em vigor.

Assim, a partir desta quarta, os cafés e restaurantes belgas podem também servir os seus clientes dentro das instalações e das 5.00 às 23.30 horas.

Uma novidade que, apesar do bom tempo atual, leva Bart, músico e cliente do famoso café Belga, a tomar o pequeno-almoço no interior, em vez da esplanada das instalações.

"Porque sentia falta. É um bar encantador e eu costumava vir aqui muitas vezes antes do trabalho. Já passou muito tempo e decidi entrar para me sentir novamente como nos velhos tempos", diz Bart à Efe, que se sente seguro porque as portas estão abertas e há muita separação entre os clientes.

Os ginásios também abrem as suas portas, embora com capacidade reduzida e com os balneários e chuveiros fechados.

"Gostamos do momento e esperamos que a covid seja coisa do passado (…) quando um ginásio fecha é difícil saber se os clientes vão voltar", diz à Efe Federic Dése, gestor do ginásio B2M Sport, que conseguiu manter os seus 13 trabalhadores porque é também um centro médico, oferecendo fisioterapia e reabilitação.

Os cinemas, pistas de bowling, pavilhões desportivos, mercados e saunas também podem abrir, na condição de satisfazerem determinados critérios de ventilação.

Os espetáculos, exposições ou competições desportivas podem receber até 200 pessoas no interior, com o público sentado, e até 400 no exterior, com máscara e distância de segurança de 1,5 metros.

BRUXELAS TIRA A MÁSCARA

O uso de máscara na rua deixa de ser obrigatório em Bruxelas a partir de hoje exceto em áreas muito concorridas, tais como mercados ou centros comerciais, e cada comuna será responsável por determinar quais as áreas altamente frequentadas.

O levantamento das restrições estava condicionado à evolução da crise sanitária, fixada no limiar de 500 camas ocupadas por covid no cuidados intensivos.

Mais de 53% da população adulta do país -4,8 milhões de cidadãos- já recebeu pelo menos a primeira dose da vacina, e oito de cada dez pessoas em risco receberam a primeira dose há duas semanas.