EFEWashington

O Governo dos Estados Unidos do presidente Joe Biden decidiu retirar o agora extinto grupo guerrilheiro colombiano Farc da sua lista de organizações terroristas e notificou o Congresso americano da sua intenção, informou esta terça-feira uma fonte parlamentar à Agência Efe.

Segundo essa fonte do Congresso, a notificação foi recebida ainda na terça, um dia antes do quinto aniversário da assinatura do acordo de paz entre o extinto grupo guerrilheiro e o Governo da Colômbia, na época presidido por Juan Manuel Santos.

A notificação ao Congresso é o primeiro passo para a retirada das Farc da lista de grupos terroristas elaborada pelo Departamento de Estado.

Não há um prazo fixo para que esta nova política entre em vigor, de acordo com o site desse departamento.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, pode ter tomado a decisão de forma discricionária ou justificá-la por duas circunstâncias: que as razões para a designação terrorista já não se aplicam ao grupo ou que é do interesse dos EUA retirar o grupo da lista.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, recusou-se a confirmar em conferência de imprensa se o presidente do país, Joe Biden, chegou a uma decisão final sobre retirar as Farc da lista, dizendo apenas que a política em relação ao antigo grupo guerrilheiro estava a ser revista.

"O Departamento de Estado informou ao Congresso sobre as próximas ações relativas às Farc", limitou-se a dizer.

As Farc foram colocadas na lista de organizações terroristas dos EUA em 1997. Como resultado, os seus membros foram proibidos de entrar no país e o seu acesso ao sistema financeiro internacional baseado no dólar foi restringido, entre outras ações punitivas.