EFENova Iorque

O ex-autarca de Nova Iorque e pré-candidato democrata à presidência Michael Bloomberg divulgou esta quarta-feira o plano para expandir e garantir o acesso aos serviços reprodutivos, incluindo anticoncepcionais acessíveis, e proteger a liberdade reprodutiva das políticas de Donald Trump.

Em comunicado, Bloomberg disse que "Trump iniciou uma guerra contra os direitos reprodutivos das mulheres, restringindo o acesso ao controlo de natalidade acessível e eficaz, empurrando assim os estados a retroceder nos direitos das mulheres.

De acordo com a ONG Planned Parenthood, Trump nomeou mais de 100 juízes que são hostis aos direitos reprodutivos, informou a equipa de campanha da Bloomberg.

"Trump também tem minado o acesso das mulheres a abortos legais. Numa das suas primeiras ações como presidente, ele expandiu e restabeleceu a política internacional contra a vida (ou lei da mordaça global), que exige que organizações estrangeiras que recebem recursos americanos certifiquem que não promovem ou realizam abortos.

"Ele também instituiu uma lei de mordaça doméstica que proíbe as clínicas de planeamento familiar de receber recursos federais para consultar ou encaminhar pacientes para abortos", acusou Bloomberg.

Segundo o pré-candidato, "a liberdade reprodutiva está ameaçada em Washington, e o presidente Trump lidera o ataque".

O plano de Bloomberg inclui vários pilares que giram à volta do direito da mulher de escolher se e quando quer ter uma família, expandindo o acesso à contraceção acessível e erradicando as barreiras ao aborto seguro e legal.