EFELondres

O homem britânico intoxicado com o agente nervoso "Novichok", Charlie Rowley, apresentou uma notável melhoria e já não está em estado crítico, informou esta quarta-feira a diretora de Enfermaria do Hospital de Salisbury, Lorna Wilkinson.

"Rowley melhorou consideravelmente esta noite. Já não está em estado crítico; o caso ainda é grave, mas ele está estável", declarou Wilkinson sobre o afetado, que ontem recuperou a consciência.

"O nosso staff vai continuar a trabalhar para oferecer a Charlie todos os cuidados que precisa. Ainda falta caminho por percorrer para se recuperar totalmente, mas o progresso que experimentou dá motivos para sermos otimista", acrescentou.

A polícia britânica conseguiu falar brevemente com o afetado depois de Rowley recuperar a consciência, embora não tenha dado informações a esse respeito.

Rowley, de 45 anos, e a sua parceira, Dawn Sturges, de 44 anos, ficaram intoxicados após entrarem em contato com o "novichok", um composto fabricado pela URSS entre as décadas de 70 e 90.

Sturges faleceu no domingo por causa do envenenamento com esta substância, que é a mesma com a qual em março foram intoxicados o ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha Yulia no Reino Unido, algo que este país atribuíu à Rússia.