EFEPequim

A empresa tecnológica chinesa ByteDance, criadora da rede social de vídeos curtos TikTok, planeia mudar a sede central desta plataforma, a sua aplicação estrela, fora dos Estados Unidos, onde o Governo tenta proibi-la, informa hoje a televisão chinesa.

"Estamos a explorar a possibilidade de estabelecer uma sede central para o TikTok fora dos Estados Unidos", indicou um porta-voz da companhia citado pela cadeia estatal CGTN.

Outro representante da ByteDance, que citou "a situação atual", sem referir-se diretamente à polémica com Washington, assegurou que a companhia "está comprometida com (os seus planos de) ser uma empresa global".

A imprensa britânica tem especulado nos últimos dias com a possibilidade de Londres ser a capital escolhida para estes escritórios, embora a empresa ainda não tenha confirmado esta escolha.

O presidente americano, Donald Trump, deu na segunda-feira ao TikTok até 15 de setembro para passar a mãos de capital americano -de momento, a Microsoft é a principal interessada- ou enfrentar a sua proibição de operar por motivos de segurança nacional.

O fundador e diretor-executivo da ByteDance, Zhang Yiming, já deixou claro aos seus funcionários que não está de acordo com a decisão, defendendo que "sempre se comprometeram a proteger os dados dos utilizadores e manter a neutralidade e transparência" do TikTok.