EFELondres

A cadeia de restaurantes do famoso cozinheiro britânico Jamie Oliver está esta terça-feira à beira da falência após colocar o negócio em mãos dos administradores, com a possível supressão de mais de mil postos de trabalho.

A empresa informou que designou a auditora KPMG para que se faça cargo deste processo, cuja missão será agora tentar encontrar um comprador.

Um total de 25 restaurantes foram afetados, que incluem 23 Jamie Oliver e os chamados Barbecoa e Fifteen.

"Estou profundamente triste por este resultado e quero agradecer a todos os funcionários e aos fornecedores que puseram a alma e o coração neste negócio durante mais de uma década. Dou-me conta o quão difícil é isto para todos afetados", afirmou o cozinheiro num comunicado divulgado hoje.

"Também quero agradecer a todos os clientes que desfrutaram e nos apoiaram na última década, foi um prazer servi-los", ressaltou no texto.

O chef, que se fez popular na televisão britânica com os seus programas de cozinha, acrescentou que a cadeia foi implementada com a intenção de servir pratos feitos com ingredientes de qualidade e agradeceu aos funcionários que compartilharam com ele "a paixão pela boa comida e o serviço".

Os problemas que a cadeia enfrentava obrigaram no ano passado a fechar 12 de 37 restaurantes, enquanto o cozinheiro se viu condicionado a fornecer 13 milhões de libras (14,82 milhões de euros) da sua fortuna pessoal para salvar o negócio.

Além das suas receitas, Oliver popularizou-se por apoiar uma forte campanha destinada a melhorar a qualidade da comida que se serve nas escolas do Reino Unido.