EFEParis

A catedral de Notre Dame de Paris vai receber este sábado a sua primeira missa depois do incêndio que no passado 15 de abril provocou a queda de parte do seu teto e da agulha da igreja, anunciou esta terça-feira a diocese da cidade.

A missa será feita com "um número limitado de pessoas, por óbvias razões de segurança" e estará oficiada pelo arcebispo da capital francesa, Michel Aupetit, segundo o seu comunicado.

A data escolhida é simbólica, pois coincide com a festa de dedicação da catedral, que relembra a consagração do altar e costuma celebrar-se a 16 de junho.

Por precaução, os participantes terão que usar um capacete, segundo confirmou o canal francês "BFM TV", que precisou que a missa terá a presença de cerca de vinte pessoas, entre eles sacerdotes e cônegos da catedral.

Para limitar os riscos, a missa, que deverá durar uma hora, vai ser no fundo da catedral, numa área não afetada pelo fogo.

Após serem descobertos traços de chumbo na praça de Notre Dame, as tarefas de descontaminação já estão em andamento. A reabertura da praça apenas será feita depois de nova análise e do sinal verde da autarquia.

Nesse caso, segundo a diocese, "irá contemplar-se a realização das vésperas", as orações da noite, nesta próxima sexta-feira.

O deão de Notre Dame, Patrick Chauvet, acrescenta na revista "Famille Chrétienne" que o plano inicial de construir uma "catedral efêmera de madeira" nessa praça que está em frente do emblemático edifício gótico, de modo a não privar fiéis e turistas durante os anos de reconstrução, foi trocado pela ideia de erguer um santuário.

Esse santuário vai abrigar uma réplica da Virgem, à qual os peregrinos poderão contemplar e rezar enquanto a catedral continuar fechada ao público.