EFEBruxelas

A Comissão Europeia (CE) urgiu esta segunda-feira aos Estados da União Europeia (UE) a que não descriminem entre regiões com situações epidemiológicas similares quanto ao coronavírus ao impor quarentenas a pessoas que regressem de uma viagem a esses destinos.

O Executivo comunitário recordou que a decisão de exigir estas quarentenas depende de cada Governo nacional, mas apelou aos países para aplicarem a mesma abordagem a todas as regiões com parâmetros epidemiológicos semelhantes, de modo a que, se esta medida for decretada para uma delas, o mesmo seja feito para as restantes, a fim de evitar a discriminação.

"As quarentenas são possíveis, mas esperamos que esta regra de não discriminação entre regiões com situação epidemiológica semelhante seja respeitada", disse o porta-voz de Saúde Pública da Comissão, Stefan de Keersmaecker, na conferência de imprensa diária da instituição.

O porta-voz acrescentou que o executivo da UE também apela aos Estados membros a que "informem muito bem os seus parceiros" sobre este tipo de medidas, a fim de manter uma abordagem coerente na UE.

As palavras da Comissão chegam depois do Reino Unido ter começado, no domingo, a impor uma quarentena de 14 dias às pessoas que chegam de Espanha -destino de férias para milhões de britânicos- sob pena de uma multa de 1.000 libras (1.027 euros), uma decisão súbita anunciada apenas 24 horas antes.

A incidência de coronavírus em Espanha é de 35,1 casos detetados por cada 100.000 habitantes em 14 dias, a sexta taxa mais alta da UE, apenas atrás de Portugal (35,5), Suécia (40,1), Bulgária (45,4), Roménia (63,2) e Luxemburgo (219,4), segundo os dados desta segunda-feira do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças.

(Mais informação sobre a União Europeia em euroefe.euractiv.es)