EFESidney (Austrália)

O chefe médico do Ministério da Saúde australiano, Paul Kelly, afirmou esta quinta-feira que a nova variante Ómicron do coronavírus poderá ser mais leve que outras anteriores, embora tenha sublinhado que ainda não há dados concretos.

"Dos cerca de 300 casos que se diagnosticaram até agora em muitos países, todos eram muito leves ou inclusivamente sem nenhum sintoma", disse Kelly num vídeo partilhado na conta do ministério no Twitter.

"Estamos muito pendentes disto. A maioria dos casos, fora da África do Sul, têm sido viajantes jovens e com boa saúde", reconheceu o especialista, que reiterou que a gravidade da nova variante continua a ser uma dúvida até que haja mais dados clínicos.

Austrália, onde por enquanto foram detetados sete casos da variante Ómicron, é um dos países menos afetados pela covid-19, com cerca de 210.000 contágios acumulados e 2.000 mortos, graças a uma política antecipada de confinamento de fronteiras e restrições estritas.

A variante Ómicron foi notificada pela primeira vez a 24 de novembro na África do Sul, embora os primeiros casos confirmados em laboratório, também nesse país, tenham sido identificados em amostras recolhidas a 9 de novembro.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu ontem que as vacinas contra a covid-19 poderão ser menos eficazes contra a nova variante, mas ressaltou que não se deve entrar em pânico, esclarecendo que irão continuar a proteger das formas graves da doença.