EFEPequim

A Comissão Nacional de Saúde da China relatou um aumento tanto em casos locais -de apenas um nos últimos cinco dias para quatro esta terça-feira- como nos chamados casos "importados" de Covid-19, dos 39 de ontem para 74.

O órgão oficial também detalhou que, até as 16h GMT de segunda-feira, tinham sido contabilizadas sete mortes devido à doença transmitida pelo novo coronavírus.

Todas as mortes e uma das transmissões locais ocorreram na província de Hubei, particularmente na capital, Wuhan, que foi o local onde a pandemia foi primeiro detetada. A comissão não especificou onde os outros três casos foram diagnosticados.

Quanto aos 74 casos "importados" (referentes a pessoas que vieram de outros países), estes foram detetados em Pequim (31), Guangzhou (14), Xangai (9), Fujian (5), Tianjin (4), Jiangsu (3), Zhejiang (2), Sichuan (2) e um em cada uma das seguintes províncias: Shanxi, Shandong, Chongqing e Liaoning.

Desde que a doença começou a afetar gravemente o resto do planeta, muitos chineses que estavam no exterior regressaram ao país de origem, onde a doença -sempre de acordo com os números oficiais- parece estar mais controlada. Por isso houve um aumento de casos importados, já que muitos são procedentes de outros focos do vírus.

Apesar desse aumento, o número de casos ativos no país asiático já está abaixo de 5.000: as contas da Comissão Nacional de Saúde totalizam 4.735, 1.573 dos quais correspondem a pessoas internadas em estado grave (1.527 em Wuhan).

Com isso, o número total de pessoas infetadas e diagnosticadas na China desde o início da pandemia é de 81.171, 3.277 das quais morreram, e 73.159 pessoas receberam alta após serem curadas.

Até esta terça-feira, 691.185 situações de contato próximo com pessoas infetadas foram acompanhadas por médicos, e 12.077 pessoas estão sob observação. Dessas, 132 estão com suspeita de terem contraído Covid-19.

No último dia 12, o Governo chinês declarou que o pico das transmissões tinha chegado ao fim no país asiático, e desde então as estatísticas apontaram um predomínio dos chamados casos "importados".