EFESeul

O Estado Maior Conjunto da Coreia do Sul (JCS) informou esta quinta-feira que a Coreia do Norte lançou, em modo de teste, três mísseis balísticos de curto alcance para o mar do Japão.

"O Exército da Coreia do Sul detetou três mísseis balísticos de curto alcance disparados pela Coreia do Norte, desde a região de Sunan, em Pyonyang, para o mar do Leste (como o mar do Japão é chamado nas Coreias)", afirma o comunicado divulgado pelo JCS.

Ainda de acordo com a entidade, o lançamento aconteceu por volta das 18h29 (horário sul-coreano,  de pelo horário sul-coreano (9h29 GMT).

Sunan é a região em que está o aeroporto de Pyongyang e onde o regime norte-coreano fez, em março, os primeiros lançamentos de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) em cinco anos.

O teste de hoje é o 16º desde o início do ano e acontece apenas cinco dias depois do lançamento de um míssil balístico de submarino. Além disso, é a terceira atividade de prova em apenas uma semana, realizado no contexto do plano de modernização armamentista aprovado no ano passado pelo regime liderado por Kim Jong-un.

O lançamento acontece no mesmo dia do anúncio da deteção dos primeiros casos de covid-19 na Coreia do Norte desde o início da pandemia, o que gera cenário de incerteza num país que não aplicou qualquer vacina contra o coronavírus e conta com recursos epidémicos insuficientes.

A Guarda Costeira nipónica, por sua parte, informou que o míssil lançado hoje caiu nas águas do mar do Japão às 9h43 GMT e fora da zona económica exclusiva do arquipélago.

O Ministério da Defesa japonês está a recolher detalhes sobre o lançamento, enquanto o Executivo convocou uma reunião de emergência do gabinete para analisar o mais recente teste da Coreia do Norte.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, viaja para Seul esta semana, e existe a expectativa de que seja enviada uma mensagem para o regime de Pyongyang, que tem ignorado convites de Seul e Washington para retomar um diálogo que está paralisado desde a fracassada cimeira de desnuclearização de Hanói, no Vietname, em 2019.