EFEZagreb

O Governo esloveno propôs que a administração da vacina da Janssen contra a covid-19 fique condicionada à solicitação e consentimento expresso dos cidadãos, depois de se confirmar que a morte há dois meses de uma mulher de 20 anos esteve relacionada com esse fármaco.

Uma comissão de especialistas confirmou esta terça-feira que o falecimento se deveu a uma trombose depois da imunização com o medicamento, mas esclarecem que não existiram indícios que permitissem antecipar que a jovem teria uma reação negativa à vacina, de acordo com a agência STA.

Apesar de ter sido submetida a um tratamento adequado numa clínica neurológica, a paciente acabou por falecer.

Por isso, o ministro da Saúde, Janez Poklukar, anunciou que irá propor que essa vacina, cujo uso está temporariamente suspenso, seja administrada a partir de agora só a quem o solicitar expressamente.

A decisão definitiva deve ser tomada pela comissão nacional de vacinação.

O professor Borut Strukelj, da Faculdade de Farmacologia de Liubliana, disse à emissora N1 que até ao passado dia 30 de outubro foram usadas na União Europeia cerca de 16,3 milhões de doses da vacina da Janssen e que apenas 6 óbitos podem ser atribuídos a esta preparação.