EFEWashington

O Governo dos Estados Unidos alertou esta segunda-feira que o avanço da China nas suas capacidades militares só fará aumentar a tensão na região e no mundo.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse em conferência de imprensa que é por isso que o secretário de Defesa, Lloyd Austin, descreve o gigante asiático como o principal desafio na esfera militar para os EUA, já que as ações de Pequim darão o tom da política de defesa de Washington, que se está a adaptar à situação.

"É por isso que vamos continuar a concentrar em garantir que possamos trabalhar em direção a um Indo-Pacífico livre e aberto. Vamos continuar a concentrar nos desafios que a China nos apresenta", disse o porta-voz.

Nesse sentido, Kirby destacou a importância de cooperar com aliados e parceiros daquela região em relação a Pequim.

As tensões entre os EUA e a China aumentaram nas últimas semanas sobre o acordo de defesa entre Washington, Camberra e Londres, denominado AUKUS; a disputa sobre Taiwan e o Mar da China Meridional, ou acusações de que Pequim testou mísseis hipersónicos.

Na última sexta-feira, a inteligência americana levantou preocupações sobre o desenvolvimento da China de tecnologias emergentes que podem colocar Pequim à frente de Washington em âmbito militar e outras áreas.

O Centro Nacional de Cibersegurança dos EUA (NCSC, sigla em inglês) observou num relatório que a China pretende assumir a liderança em vários campos até 2030, incluindo biotecnologia, computação avançada e Inteligência Artificial.