EFESeul

Estados Unidos e Coreia do Sul lançaram esta segunda-feira oito mísseis balísticos no Mar do Japão (conhecido como Mar do Leste nas duas Coreias) em resposta ao disparo de mísseis pela Coreia do Norte no dia anterior.

De acordo com os chefes do Estado-Maior Conjunto sul-coreano (JCS), citados pela agência de notícias "Yonhap", forças militares de ambos os países lançaram o Sistema de Míssil Tático do Exército (ATACMS) num intervalo de 10 minutos nas primeiras horas da manhã.

"O lançamento combinado de mísseis terra-terra da Coreia do Sul e dos EUA mostrou a capacidade e a postura para lançar ataques de precisão imediata sobre as fontes das provocações e as suas forças de comando e apoio", disse o JCS em comunicado.

O Exército sul-coreano disse que "condena vigorosamente a série de provocações de mísseis balísticos (da Coreia) do Norte e exorta-a seriamente a suspender imediatamente atos que levantem tensões militares na península e aumentem as preocupações com a segurança", acrescentou o JCS.

Seul, sob o governo do presidente conservador Yoon Suk-yeol desde 10 de maio, defende uma posição mais dura em relação ao país vizinho após uma fase mais conciliatória com o seu antecessor, e disse que responderá consistentemente às ações norte-coreanas deste tipo.

A ação coordenada de Seul e Washington ocorreu um dia depois de Pyongyang disparar um número idêntico de mísseis balísticos de curto alcance desde vários locais no seu próprio território, uma aparente demonstração de força após a realização de exercícios navais americanos e sul-coreanos perto da península onde ficam as duas Coreias.

Um porta-aviões movido a energia nuclear foi usado durante esses exercícios, algo que não acontecia desde o final de 2017.

A Coreia do Norte realizou no decorrer deste ano um recorde de 18 lançamentos de mísseis.

No seu teste anterior, a 25 de maio, o regime liderado por Kim Jong-un disparou dois projéteis de curto alcance e um aparente míssil balístico intercontinental (ICBM) depois de mais de quatro anos, e nessa ocasião, a Coreia do Sul e os EUA também responderam no mesmo dia com um lançamento combinado semelhante.