EFEWashington

O estado de Indiana executou esta terça-feira Lisa Montgomery, a única mulher que estava no corredor da morte nos Estados Unidos e a primeira a ser executada ao nível federal desde 1953.

A execução por injeção letal ocorreu no complexo penitenciário de Terre Haute, após o Supremo Tribunal ter levantado a suspensão que tinha sido ordenada por um tribunal federal horas antes. A morte de Montgomery foi confirmada à 1h30 da madrugada, segundo os jornalistas que acompanharam o procedimento.

Montgomery abdicou do direito de pronunciar as últimas palavras, limitando-se a responder "não" quando um dos carrascos destapou o seu rosto e perguntou se a condenada queria dizer algo.

"A nossa Constituição proíbe a execução de uma pessoa que não possa compreender racionalmente essa execução. O Governo atual sabe disso. E mataram-na de qualquer forma. Deviam sentir vergonha", denunciou a advogada da condenada, Kelley Henry, segundo a imprensa local.

Lisa Montgomery, de 52 anos, foi condenada em 2007 por matar em 2004 uma mulher de 23 anos que estava grávida de oito meses e extrair o bebé, que foi recuperado e salvo pelas autoridades.

Os advogados da condenada argumentaram durante o julgamento que Montgomery sofria de uma doença mental devido a abusos sexuais aos quais foi vítima na infância.