EFELa Paz

O ex-comandante das Forças Armadas da Bolívia Williams Kaliman disse à Efe esta quarta-feira que não houve golpe de Estado no país e que nenhum dos altos comandantes militares foi forçado a sugerir a demissão de Evo Morales, já que, segundo ele, foi uma decisão tomada conjuntamente de acordo com a lei.

Após várias semanas desaparecido e sem que se soubesse oficialmente do seu paradeiro, Kaliman concedeu uma entrevista por telefone na qual garantiu que não saiu da Bolívia e que está disposto a ser submetido às investigações adequadas.

Evo Morales foi reeleito presidente para um quarto mandato mas renunciou a 10 de novembro, após pressão das Forças Armadas e da polícia, e dias depois asilou-se no México, onde está até hoje.