EFECairo

A explosão de grandes proporções ocorrida esta terça-feira no porto de Beirute, no Líbano, deixou mais de 50 mortos e 2.750 feridos, confirmou à Agência Efe uma fonte do Ministério da Saúde do país.

Um porta-voz da pasta, que pediu anonimato, conversou por telefone com a Efe e afirmou que os hospitais da capital libanesa estão repletos de pessoas com os mais diversos tipos de ferimentos. A explosão ocorreu à tarde num armazém com material explosivo depois de um incêndio com causas ainda desconhecidas.

A Efe foi informada por testemunhas oculares que houve quebras de vidros em casas a mais de 5 quilómetros de distância da explosão e que vários edifícios num raio de mais de 2 quilómetros ficaram danificados de maneiras distintas.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostraram o momento da detonação que causou o surgimento de uma grande nuvem de fumo e poeira no céu e uma forte onda expansiva que afetou vários bairros e causou danos materiais.

"Parece que a explosão ocorreu num armazém com material altamente explosivo que tinha sido confiscado anos atrás", disse à imprensa local o diretor da Segurança Geral libanesa, Ibrahim Abbas, durante uma visita ao porto.

As autoridades deram ordens para mobilizar o exército para criar instalações hospitalares para cuidar dos feridos e dar abrigo a todos aqueles que tiveram que ser deslocados devido à explosão.

O Governo libanês declarou para quarta-feira um dia de luto nacional pelas vítimas da explosão e anunciou uma investigação para encontrar os responsáveis pela tragédia.