EFEParis

O Governo francês considera que "o mais provável" é que a UE não renove os contratos de compra de vacinas com a AstraZeneca e Johnson & Johnson (J&J) tendo em conta os benefícios da tecnologia usada pela Pfizer/BioNTech e Moderna.

"A decisão ainda não foi tomada, mas o único que posso dizer é que não temos estado em conversas com a AstraZeneca ou com a Johnson & Johnson para um novo contrato", explicou a secretária de Estado da Indústria francesa, Agnés Pannier-Runacher, numa entrevista à imprensa local.

Depois de casos de tromboses associados às vacinas da anglo-sueca AstraZeneca e às da americana Janssen (da Johnson & Johnson), a Dinamarca cancelou a aplicação da primeira, enquanto as autoridades de saúde dos EUA recomendaram uma pausa na administração da segunda.

A Comissão Europeia (CE) já fez a pré-compra de 200 milhões de vacinas da AstraZeneca (400 milhões de doses) e 400 milhões da Janssen (de uma só injeção.

Pannier-Runacher destacou que a tecnologia de RNA mensageiro utilizada pela Pfizer/BioNTech e Moderna está a funcionar "muito bem, com poucos efeitos secundários".