EFEParis

O novo primeiro-ministro de França, Jean Castex, afirmou esta quarta-feira que está a trabalhar para preparar o país para uma nova vaga de COVID-19, mas desta vez descarta um confinamento geral como o que foi aplicado por quase três meses entre março e maio.

Castex, que antes de chegar ao Governo ocupava a pasta responsável pelo desconfinamento iniciado a 11 de maio, explicou que a sua missão agora é "preparar França para uma eventual segunda vaga, mas acima de tudo, nesse caso, preservar a vida económica e social".

"Porque", acrescentou, "um confinamento geral e absoluto como o que vivemos não seria tolerado", pois teve "terríveis consequências humanas e económicas".

Castex salientou que a intenção agora é ser seletivo nas medidas restritivas.

O primeiro-ministro viaja este fim de semana para a Guiana Francesa, um departamento da bacia amazónica que compartilha centenas de quilômetros de fronteira com o Brasil e é atualmente o território francês mais afetado pela pandemia. Esta terça foram confirmados 124 novos casos positivos.

Segundo dados publicados ontem pela Direção Geral da Saúde (DGS) do país, nas últimas 24 horas houve 13 novas mortes em França por COVID-19, elevando o número total para 29.933 desde o início de março.