EFENova Deli

O Governo da Índia anunciou esta sexta-feira uma diminuição "gradual" das restrições na Caxemira indiana e o restabelecimento das telecomunicações a partir desta noite, medidas que mantiveram os habitantes isolados depois de Nova Deli ter decidido revogar o estatuto especial da região.

"Estamos a tomar medidas para diminuir as restrições de forma gradual e calculada depois das rezas de sexta-feira, que segundo a nossa informação decorreram de forma pacífica no estado", disse em conferência de imprensa o secretário-geral de Jammu e Caxemira, BVR Subrahmanyam.

Além das restrições aos direitos de movimento e reunião, as autoridades indianas também interromperam os serviços de telecomunicações e internet, um "ponto sensível", segundo reconheceu Subrahmanyam.

De acordo com o secretário-geral, as redes móveis vão começar a ser restabelecidas "entre esta noite e amanhã" e "a maior parte das linhas" vai funcionar depois do fim de semana.

A situação na Caxemira, uma das regiões mais militarizadas do mundo e que tanto a Índia como o Paquistão disputam, voltará a ser "completamente normal" nos próximos dias, concluiu Subrahmanyam.

O regime de exceção foi imposto na Caxemira, de maioria muçulmana, em 4 de agosto, um movimento que o governo justificou a princípio por supostas ameaças terroristas.

Um dia depois, o Governo da Índia apresentou no Parlamento uma lei que modificava o artigo 370 da Constituição, que estabelecia o estatuto especial de Caxemira pelo qual a região obteve autonomia constitucional durante 70 anos.

A lei, que foi aprovada em pouco de dois dias nas duas Câmaras do Parlamento, levou à bifurcação do estado em dois "territórios da união" -o de Jammu e Caxemira e o de Ladakh- agora sob controlo direto do Governo central.

A decisão provocou protestos na Caxemira, embora o Governo indiano tenha tentado repetidamente desmentir as informações sobre as manifestações.