EFELondres

O levantamento de todas as restrições pela covid-19 em Inglaterra, previsto para o próximo dia 21, deverá ser adiado quatro semanas devido ao aumento de infeções da variante Delta, segundo avançou esta segunda-feira a imprensa local.

Alguns dos principais ministros do Governo britânico assinaram no domingo a decisão de adiar a medida e espera-se que o primeiro-ministro, Boris Johnson, a confirme esta tarde numa conferência de imprensa, depois de participar em Bruxelas na cimeira da NATO.

De acordo com o plano de desconfinamento, o dia 21 de junho foi a data em que todas as restrições aos contactos sociais iriam ser levantadas, permitindo que discotecas, casamentos e outros eventos não tivessem limite no número de pessoas.

De acordo com a BBC, o Governo também vai pedir às pessoas que trabalhem a partir de casa, na medida do possível.

Este adiamento será votado pela Câmara dos Comuns para que a decisão seja legal.

Vários cientistas tinham pedido ao Executivo para não manter o desconfinamento final a 21 de junho (apelidado pela imprensa como o "dia da libertação") tendo em conta a rápida propagação da variante Delta, primeira detetada na Índia e agora a dominante no Reino Unido.

Esta mudança nos planos permitirá continuar a avançar no plano de vacinação da população, uma vez que a maioria das pessoas hospitalizadas com covid não tinham sido vacinadas ou algumas apenas receberam a primeira das duas doses da preparação.

Embora as outras regiões britânicas -Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte- tenham suavizado as restrições, continuarão a manter vários tipos de medidas para reduzir a possibilidade de contágios.

O Governo de Johnson tinha estabelecido como objetivo vacinar, pelo menos com a primeira dose, todos os maiores de 18 anos até ao final de julho.

Estima-se que a variante Delta é 60% mais contagiosa do que a Alfa, que foi detetada no condado de Kent (sudeste de Inglaterra) em dezembro do ano passado.

Além disso, os cientistas indicaram que a Delta é atualmente responsável por 90% das infeções no país.