EFERoma

O primeiro-ministro de Itália, Giuseppe Conte, pediu esta quinta-feira, numa ida ao parlamento, para que os jovens evitem reuniões e festas, convidando ainda os cidadãos italianos a ficarem no país durante as férias.

"Um apelo a todos e principalmente aos jovens: agora não é hora de festas e vida noturna. Agora, mais do que nunca, é necessário respeitar a distância de segurança e o uso de máscaras. Expor-se significa expor-se a uma infeção", disse Conte ao falar no parlamento sobre a fase 2 de desconfinamento após o fecho do país causado pela pandemia da COVID-19.

Itália começou a reabriu restaurantes e lojas na última segunda-feira, com muitos autarcas e presidentes das regiões a denunciar o comportamento, principalmente de jovens, que saíram em grupos para se encontrar em bares e regiões de vida noturna e áreas de lazer.

Conte iniciou o seu discurso a assegurar que, ainda hoje, três meses após o primeiro caso detetado no país, ele pode dizer que "as decisões tomadas, tão dolorosas e que provavelmente afetam alguns direitos fundamentais, estavam corretas".

Agora "chegou a hora dar reinício ao mecanismo económico e produtivo, depois de ultrapassar a fase mais aguda da emergência, mas o desafio que nos espera não é menos insidioso do que o enfrentado no início da emergência", acrescentou.

Conte explicou que Itália ocupa o primeiro lugar no número de testes em relação aos seus habitantes e defendeu que nessa nova fase não só existe confiança na "autodisciplina das pessoas", mas que "foi criado um sistema articulado para controlar as tendências epidemiológicas", referindo os testes moleculares e sorológicos que serão realizados voluntariamente nos próximos dias.