EFENova Deli

A Índia registou esta quarta-feira 3.780 mortes por covid-19, o número mais elevado desde o início da pandemia, enquanto as infeções diárias voltaram a aumentar após vários dias de ligeiras quedas.

Os últimos dados do Ministério da Saúde indiano elevaram o número total de mortes para 226.188, enquanto os 382.315 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas aumentaram o total de infecções para 20,6 milhões.

O segundo país mais afetado do mundo pela pandemia em termos absolutos, atrás apenas dos Estados Unidos, com 32,5 milhões de casos, segundo a Universidade Johns Hopkins, viu o número de infeções diárias crescer hoje pela primeira vez desde que ultrapassou o patamar de 400.000 positivos no sábado passado.

O país asiático está imerso numa arrasadora segunda vaga da pandemia, que não para de crescer desde fevereiro e levou seu sistema de saúde ao limite, com carências de oxigénio e camas em grandes cidades como Nova Deli.

Nas últimas 24 horas, a Índia administrou 1,4 milhão de doses contra o coronavírus, um número baixo em comparação com os quase três milhões e meio de vacinas que chegaram a ser administradas num só dia há semanas atrás.

Com estes dados, o país ultrapassou a marca de 160 milhões de vacinas administradas desde que iniciou a sua campanha, ampliada no final de semana passado a todos os cidadãos com mais de 18 anos.

No entanto, e embora a Índia veja no seu programa de vacinação a salvação para a crise do coronavírus, a percentagem da população totalmente vacinada é cerca de 2%.

Mais de 40 países começaram a enviar ajuda para a Índia combater a pandemia, incluindo ventiladores mecânicos e outros equipamentos médicos, como geradores, cilindros de oxigénio, concentradores e reguladores.

O aumento de casos no país tem sido atribuído a um relaxamento das medidas contra o coronavírus pela população e à organização de eventos de massas, como enormes comícios no contexto das eleições regionais e o festival Kumbh Mela, uma das mais antigas celebrações religiosas do mundo.

A variante indiana de dupla mutação e outras estirpes podem estar por trás deste súbito aumento de casos no país, embora neste momento os virologistas tenham assinalado que existe uma falta de dados para apoiar esta teoria.