EFERoma

As autoridades sanitárias da localidade de Biella (Piamonte, norte de Itália) apresentaram uma denúncia aos carabineiros (polícia militarizada) de um homem que tentou receber a vacina contra a covid-19 com um braço de silicone de modo a conseguir obter o certificado digital.

O homem, na casa dos 50, foi esta quinta-feira a um centro de vacinação, onde a enfermeira, no momento da injeção, se apercebeu que este lhe estava a mostrar um braço de silicone muito parecido à pele.

A enfermeira julgou inicialmente que o homem tinha sofrido uma amputação e que lhe apresentou o braço errado, pelo que lhe pediu o outro, explicou a própria, Filippa Bau, ao jornal Corriere della Sera.

Contudo, a enfermeira compreendeu rapidamente que este tentava enganá-la para que lhe desse a vacina num braço falso.

"Dei-me conta num instante de que estava a tentar escapar à vacina através de uma prótese de silicone na qual esperava que eu, sem saber, lhe injetasse o fármaco", explicou.

Uma vez descoberto, o homem tentou convencê-la a ignorar e continuar com a farsa, ao qual a enfermeira recusou e chamou os seus superiores.

O homem acabou por reconhecer que os tinha tentado enganar para conseguir o novo certificado sanitário reforçado apenas disponível para vacinados ou recuperados, que a partir de segunda-feira será necessário para poder aceder ao interior de bares, restaurantes, locais de lazer e edifícios públicos.

O presidente da região de Piamonte, Alberto Cirio, criticou a "gravidade deste gesto" e realçou o "sacrifício", assim como "as vidas humanas e custos sociais e económicos", que a pandemia tem exigido.