EFEParis

O presidente francês, Emmanuel Macron, remodelou esta segunda-feira o seu Governo após ter perdido a maioria absoluta nas legislativas de junho, formando um gabinete que mantém as principais figuras que estavam desde maio nas pastas da Economia, Administração Interna, Defesa, Justiça ou Negócios Estrangeiros.

A remodelação conta também com a saída do ministro da Solidariedade e de Pessoas com Deficiência, o conservador Damien Abad, acusado por várias mulheres de violência sexual, o que levou na semana passada à abertura de uma investigação judicial por tentativa de violação, pelo que é agora substituído por Jean-Christophe Combe.

As ministras da Saúde, Brigitte Bourgignon, da Transição Energética, Amélie de Montchalin, e do Mar, Justine Benin, abandonam o Governo ao não terem sido eleitas nas legislativas do mês de junho, em aplicação de uma regra não escrita com muitos anos que estabelece que os perdedores numas eleições não podem fazer parte do Governo.