EFECaracas

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou esta terça-feira que vai deixar o cargo se a oposição ganhar as eleições legislativas do próximo domingo, embora a ala maioritária dos seus detratores, liderada por Juan Guaidó, não irá participar por considerá-las fraudulentas.

"Digo ao povo: deixo o meu destino nas vossas mãos. Se a oposição voltar a ganhar, deixarei a presidência. Se a oposição ganhar as eleições, não ficarei mais aqui. Deixo o meu destino nas mãos do povo da Venezuela", disse Maduro num ato de campanha em Caracas.

A proposta, segundo Maduro, é um "desafio" proposto por alguns dos líderes da oposição que irão participar nas eleições, como o ex-candidato presidencial Javier Bertucci e o secretário do partido Ação Democrática (AD), Bernabé Gutiérrez.

"Dizem que no próximo domingo haverá um referendo (...) a toda a oposição eu digo: aceito o desafio. No próximo domingo, eu aceito o desafio, vamos ver quem ganha. Se vencermos, vamos em frente", acrescentou o presidente venezuelano.

Embora os líderes tradicionais anti-chavistas não sejam candidatos nestas eleições, alguns dos maiores partidos da oposição vão participar por terem sofrido mudanças nas suas direções, com a entrada de militantes que tinham sido expulsos por supostamente terem feito acordos secretos com o governo.

Maduro não fez nenhuma menção a este aspecto, uma das razões pelas quais o processo não é visto como democrático pela União Europeia e pela Organização dos Estados Americanos (OEA), e em vez disso ressaltou que estava confiante em conseguir "uma grande vitória" no domingo.

"Perdoem-me por ser rude, mas já chega, mais cinco anos com a oposição a liderar a Assembleia, não, assim não (...) Se a oposição conseguir mais votos do que nós e ganhar as eleições no domingo, então vamos tomar outro caminho, estou a aceitar o desafio, estou a aceitar o desafio com coragem", reiterou.

A oposição venezuelana controla atualmente o Parlamento sob o comando de Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por cerca de 50 países.