EFELondres

A primeira-ministra britânica, Theresa May, pediu esta quarta-feira ao líder trabalhista, Jeremy Corbyn, que faça um gesto de compromisso ao apoiar o acordo do "brexit" com as novas propostas, entre elas um possível segundo referendo.

A chefe do Governo vai explicar hoje aos deputados na Câmara dos Comuns as novas medidas destinadas a conseguir os apoios suficientes para que o pacto da saída britânica da União Europeia (UE) possa superar o trâmite parlamentar, depois do texto ter sido já rejeitado três vezes pela câmara inferior.

May escreveu hoje ao líder do principal partido da oposição britânica para dizer-lhe que ela já se comprometeu a propor submeter a votação a possibilidade de realizar outro referendo, com o qual os cidadãos do Reino Unido confirmariam ou rejeitariam os termos finais da desconexão de Bruxelas.

Além dessa consulta, May promete legislar para assegurar a proteção dos direitos dos trabalhadores, em linha com a legislação comunitária, assim como votar sobre opções em matéria aduaneira, entre elas uma união aduaneira temporária para mercadorias.

"Eu demonstrei que estou disposta a um compromisso para concretizar o 'brexit' para o povo britânico", escreveu May a Corbyn, e ressaltou que o acordo é a "última oportunidade".

"Eu peço-lhe que também se comprometa para que possamos cumprir com o que os nossos dois partidos prometeram nos programas eleitorais e restabelecer a fé na política", acrescentou.

Apesar das novas propostas, a ala eurocética mais dura dos conservadores mostrou ontem a sua oposição ao acordo, que será debatido e votado na primeira semana de junho a fim de trasladá-lo à legislação britânica.

Corbyn, por sua parte, disse ontem que não vai apoiar "uma versão reempacotada do mesmo antigo acordo".

A primeira-ministra comprometeu-se com o seu partido a fixar um calendário para a sua demissão uma vez que os deputados votem em junho o acordo do "brexit".

Nas últimas semanas, May e Corbyn mantiveram negociações para tentar buscar opções para superar o atual ponto morto do processo do "brexit", mas esses contatos terminaram na semana passada sem um acordo.

O Reino Unido tinha previsto ter saído da UE no passado 29 de março, mas viu-se obrigado a atrasar a retirada até ao próximo 31 de outubro devido à falta de acordo.

Isto obrigou o país a participar nas eleições ao Parlamento Europeu, que no caso do Reino Unido serão realizadas amanhã, embora os resultados apenas sejam conhecidos na noite de domingo.