EFEBerlim

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, mostrou-se esperançosa de que a negociação sobre a futura relação com o Reino Unido chegue a um bom acordo, mas advertiu que a União Europeia (UE) não precisa de "um acordo a qualquer preço".

Numa reunião virtual com deputados europeus e alemães, a chanceler afirmou que espera "um bom final" para a negociação do Brexit e reconheceu que alguns parceiros estão "intranquilos" porque o tempo para as negociações entre Bruxelas e Londres está a acabar.

"Não precisamos de um acordo a qualquer preço", afirmou a chanceler, que disse ser "um interesse de todos" chegar a um entendimento com o Governo britânico.

Merkel também acrescentou que, se não for alcançada uma solução consensual com o Governo do primeiro-ministro Boris Johnson, a UE tomará as "medidas necessárias".

Depois de concordar com os termos da saída da UE, o Reino Unido ainda precisa de negociar com Bruxelas sobre como será o futuro relacionamento entre ambos, um processo que se deparou com vários problemas nos últimos meses, incluindo a decisão do Governo britânico de questionar parte do que tinha sido acordado em relação à Irlanda.

A governante alemã desejou sucesso nestas negociações à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e ao negociador do bloco para o Brexit, Michael Barnier. Além disso, afirmou que a cimeira dos líderes europeus nos dias 10 e 11 de dezembro será fundamental para esta questão.

Barnier viajou a Londres na sexta-feira passada para retomar os contatos numa semana que pode ser importante para a definição de um acordo.

O negociador da UE disse na ocasião que "as mesmas divergências significativas" persistem, que são sobre as garantias para assegurar a concorrência justa entre empresas britânicas e da UE, sobre a pesca e sobre mecanismos para resolver disputas acerca do futuro acordo.

"Estes são dias decisivos para as nossas negociações com o Reino Unido, mas, francamente, não posso garantir hoje que no final haverá um acordo", disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, aos eurodeputados na quarta-feira passada.

No dia 1 de janeiro de 2021, a legislação do bloco europeu já não será aplicável no território britânico. Antes do final deste ano deve ser conseguido o pacto e a ratificação por parte dos parlamentos britânico e europeu para que o hipotético acordo possa entrar em vigor no primeiro dia do próximo ano.