EFELondres

Milhares de contas da rede social Twitter ligadas à Rússia lançaram mensagens de apoio ao candidato do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, durante a campanha das últimas eleições gerais no Reino Unido, segundo uma investigação divulgada hoje pelo jornal "The Sunday Times".

Um estudo elaborado com a parceria da Universidade de Swansea (Gales) identifica uma rede de 6.500 utilizadores do Twitter que nas semanas antes das eleições de junho de 2017 atacaram o Partido Conservador e divulgaram mensagens favoráveis a Corbyn que chegaram a "milhões de eleitores".

A maioria dessas contas "podem ser identificadas claramente como robôs, conhecidos como 'bots'", que se escondiam atrás de nomes femininos em inglês mas que estavam "produzidos em massa para bombardear o público com mensagens políticas", afirma o jornal.

80% dessas contas automatizadas tinham sido criadas pouco antes de umas eleições nas quais a primeira-ministra, a conservadora Theresa May, perdeu a maioria absoluta que mantinha até então, obtendo 42,4% dos votos, frente aos 40% de Corbyn.

A rede de contas do Twitter lançou mensagens de forma em massa louvando os trabalhistas e criticando os conservadores a 18 de maio do ano passado, quando May apresentou o seu programa eleitoral, segundo o "The Sunday Times".

O jornal assegura que essa rede ajudou Corbyn a tornar o atentado na Manchester Arena, que deixou 22 mortos, "num ponto da campanha", graças a tweets que "criticavam May por cortar o número de polícias quando era ministra do Interior".

Também amplificaram os ataques contra a chefe de Governo pela sua recusa a realizar debates frente a frente com o líder trabalhista na televisão durante a campanha, segundo o jornal britânico.