EFECádiz

O nono dia da greve de metalúrgicos em Cádiz começou com a atuação de piquetes nas principais fábricas da baía e um corte da estrada industrial, cujo trânsito foi interrompido pela Polícia com várias carrinhas para evitar atos violentos, aguardando-se agora pelo que suceda nas negociações previstas hoje em Sevilha.

Fontes sindicais explicaram à Agência EFE que a forte presença policial impede os piquetes de se aproximarem dos acessos das fábricas, onde os agentes estão a garantir o livre acesso dos autocarros e carros com trabalhadores.

Em San Fernando, o para-brisas de um autocarro que transportava funcionários de uma empresa para o interior dos estaleiros foi partido por uma pedra, segundo a EFE pôde constatar no local. 

Em Cádiz, várias carrinhas da Polícia interrompem o trânsito da estrada industrial, onde se encontra o acesso ao estaleiro desta cidade da Andaluzia, em previsão de possíveis atos violentos, segundo fontes policiais.

Em El Puerto de Santa María, depois de vários dias sem poder fazê-lo, os autocarros que transportam os trabalhadores da Airbus conseguiram finalmente entrar na fábrica da CBC, que esta quarta recuperou a atividade.

Puerto Real irá acolher esta manhã uma manifestação sob o lema "Revolução. Luta pelos teus direitos", enquanto Cádiz irá acolher uma ao final da tarde, frente a uma delegação do Governo espanhol no local, em protesto à "violência policial" depois da manifestação de ontem na cidade.

Sindicatos e patronal vão-se reunir esta manhã na sede da Conselharia de Emprego em Sevilha para uma nova tentativa de negociações depois do fracasso das conversas começadas na segunda-feira.