EFEMadrid

O rei emérito de Espanha, Juan Carlos, está em Abu Dhabi (Emiratos Árabes Unidos) desde segunda-feira, a onde voou num avião privado horas antes da Casa Real anunciar a sua decisão de sair de território espanhol devido à controvérsia sobre os seus alegados negócios ocultos na Suíça, segundo publica esta sexta-feira o jornal espanhol ABC.

Juan Carlos I apanhou o avião na segunda-feira de manhã no aeroporto da cidade de Vigo (Pontevedra, noroeste de Espanha) e chegou a Abu Dhabi à tarde, ficando hospedado no Emirates Palace Hotel, um complexo de luxo no qual já tinha estado noutras ocasiões.

Abu Dhabi, situada a 5.600 quilómetros de Madrid, é a capital dos Emirados Árabes Unidos, país da Península Arábica onde o rei emérito tem bons amigos.

Esta é a última das opções publicadas sobre o destino de Juan Carlos de Borbón desde a sua saída de Espanha, depois dos mesmos meios de comunicação terem noticiado na passada terça-feira que se tinha refugiado na República Dominicana, num complexo turístico na cidade de La Romana, para onde voou desde o Porto (Portugal) depois de ter passado a noite na cidade espanhola de Sanxenxo (Pontevedra).

De acordo com as informações da folha de itinerário do jato privado que transportou o rei emérito, este aterrou no Aeroporto Executivo de Al Bateen, que é utilizado exclusivamente para voos privados.

Juan Carlos embarcou depois num helicóptero, juntamente com o ajudante do rei e quatro escoltas, rumo a Abu Dhabi, e foi diretamente para o hotel, chegando na mesma altura em que a Casa Real Espanhola emitiu o comunicado a notificar sobre a sua saída de Espanha.

Segundo o ABC, o pai de Felipe VI não sai do hotel desde segunda-feira devido às altas temperaturas naquele país.

Abu Dhabi tem sido um dos destinos mais frequentados por Juan Carlos desde a sua abdicação em junho de 2014.

A última vez que esteve neste emirado foi no final de novembro do ano passado para o Grande Prémio de Fórmula 1 no Circuito Yas Marina.

O rei emérito também esteve neste evento um ano antes, gerando controvérsia com a publicação de uma fotografia sua a cumprimentar o príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Salman, algumas semanas após a CIA o ter acusado de ser o principal responsável pelo assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi.