EFESão Paulo

O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva ganharia as eleições presidenciais na primeira volta se estas, marcadas para outubro de 2022, se realizassem hoje, de acordo com uma sondagem de opinião divulgada na quarta-feira.

Esta sondagem da empresa Ipec está em linha com outra divulgada na semana passada pelo Instituto Datafolha, que também deu uma ampla vantagem ao líder do Partido dos Trabalhadores (PT) sobre o atual presidente, Jair Bolsonaro, de extrema-direita.

A Ipec desenhou dois possíveis cenários para as eleições. No primeiro, ofereceu aos inquiridos uma lista de cinco candidatos.

O favorito seria Lula, com 48% dos votos, seguido por Bolsonaro, que receberia 23% dos apoios.

Muito atrás aparecem o líder trabalhista Ciro Gomes (8%), o governador de São Paulo João Dória (3%), e o ex-ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta (3%).

Esta diferença de mais onze pontos do que todos os seus adversários combinados levaria Lula, que governou o Brasil entre 2003 e 2010, a ser proclamado o vencedor na primeira volta.

No segundo cenário, a Ipec incluiu dez candidatos. Lula obteria então 45% dos votos, Bolsonaro ficaria com 22% e os outros candidatos com 18%. Neste grupo foi incluído o antigo juiz e ministro Sérgio Moro (5%).

Com estas percentagens, o antigo dirigente sindical estaria dentro do limite da margem de erro, que é de dois pontos, para ganhar também na primeira volta se as eleições se realizassem hoje.

Lula, que foi autorizado a concorrer nas eleições após os tribunais terem anulado as duas condenações por corrupção contra si, deu a entender que se candidatará ao cargo em 2022 se o PT assim o desejar.

Por sua parte, Bolsonaro, líder da extrema-direita brasileira, também pretende concorrer à reeleição, embora a sua popularidade esteja atualmente no seu pior momento desde que está no poder.

Neste contexto, a taxa de desaprovação do seu Governo chegou a 53%, quatro pontos acima do resultado do estudo divulgado em junho pelo Ipec.

Os eleitores que consideram a sua administração "boa" ou "ótima" caíram para 22%, o nível mais baixo registado este ano.

Estas percentagens são também semelhantes às da sondagem da Datafolha da semana passada.

Os resultados da sondagem do Ipec são o resultado de 2.002 entrevistas presenciais em 141 municípios de todo o Brasil realizadas entre 16 e 20 de setembro.