EFECabul

O número de vítimas no atentado talibã ocorrido na quinta-feira, contra um hospital com um carro-bomba carregado de explosivos no sul do Afeganistão, está agora em 39 mortos e 184 feridos -40 estão em estado grave-, depois dos serviços de resgate terem recuperado vários corpos entre os escombros.

"Infelizmente, depois de coordenar as informações, podemos confirmar que no ataque desumano de ontem, 39 pessoas foram mortas e outras 189 ficaram feridas", afirmou esta sexta-feira à EFE Gul Islam Seyal, porta-voz do governador da província de Zabul.

Seyal esclareceu que o número de mortos duplicou em relação ao balanço de ontem, depois de vários corpos terem sido localizados entre os escombros do hospital e outros edifícios vizinhos que ficaram destruídos.

Entre os mortos, disse, há dois membros das forças de segurança, enquanto os restantes são civis, incluindo profissionais da saúde e pacientes, alguns deles crianças.

Além disso, 40 feridos estão em estado "crítico" e foram transferidos para um hospital da província de Nangarhar, acrescentou.

O hospital atacado na cidade de Qalat, o mais bem equipado em Zabul e cujo departamento de terapia intensiva foi completamente destruído, foi forçado a interromper praticamente todo o seu serviço.

Agora, apenas alguns hospitais particulares estão a fornecer serviços de saúde na região.

Um porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, assumiu a responsabilidade pela autoria do atentado, afirmando que era dirigido contra um edifício do Diretório Nacional de Segurança (NDS, sigla em inglês).

No entanto, para Seyal, o alvo dos talibãs era o centro médico, já que "o impacto (da explosão) foi direcionado contra o hospital e apenas uma parede ao redor do prédio do NDS desabou".