EFEAtenas

O novo primeiro-ministro da Grécia, o conservador Kyriakos Mitsotakis, anunciou esta quarta-feira uma mudança no modelo de governança e observou que todos os ministros terão de atender rapidamente as tarefas que lhes são confiadas.

"Ganhamos a batalha das cadeiras... A partir de agora temos que vencer uma batalha difícil, que foi perdida por quase todos os governos, a de mudar a governança a fim de melhorar a vida cotidiana dos cidadãos", disse Mitsotakis, ao inaugurar o primeiro Conselho de Ministros após a vitória eleitoral do último domingo.

Todos os ministros da sua equipa receberam esta manhã uma pasta com os objetivos imediatos e aqueles que o governo de Alexis Tsipras deixou "pendentes", explicou.

"Cada ministério obtém o seu plano estratégico anual, a prioridade máxima é alcançar um forte crescimento económico com muitos investimentos e novos e melhores empregos", destacou o primeiro-ministro.

Nos próximos dias começarão uma série de ações que "outros demoraram meses e meses em iniciar", disse.

Nesta primeira reunião, Mitsotakis também anunciou a agenda para as próximas semanas.

No dia 18 de julho, um dia após a constituição do Parlamento, será eleito o presidente deste orgão, cargo para o qual propôs Kostas Tasulas, ministro da Cultura durante o governo de Andonis Samarás.

A moção de investidura está agendada para 22 de julho e um dia depois um primeiro pacote de leis será levado ao Parlamento, que irá abordar o funcionamento do Estado e de algumas reformas pontuais do Código Penal.

Uma semana depois será apresentada a ambiciosa reforma fiscal, que contempla uma série de benefícios fiscais.

Mitsotakis anunciou a redução de um terço das direções gerais (de 90 para 63) e dos colaboradores do governo.

"Boas intenções e palavras não são suficientes, as pessoas esperam obras e ações", finalizou.