EFEArgel

O número de vítimas mortais no acidente sofrido hoje por um avião militar argelino elevou-se a 257, segundo confirmou à Efe uma fonte da Proteção Civil desse país norte-africano.

Entre os falecidos figuram 247 passageiros e 10 membros da tripulação do avião tipo Iliouchine, que se despenhou perto da base aérea de Bufarik, na cidade de Bechar, vizinha a Argel.

A maior parte das vítimas eram militares, embora alguns familiares destes também viajassem no avião, segundo as fontes.

Ao início informou-se que a bordo do avião viajavam 176 soldados e oficiais, além de vários membros da tripulação, que se dirigiam à cidade de Tinduf, fronteiriça com Marrocos.

Segundo a Proteção Civil, o acidente aconteceu poucos minutos após o avião, de fabrico russo, descolar, tendo previsto fazer escala técnica na cidade meridional de Bechar antes de chegar a Tinduf, região na qual estão instalados há mais de 40 anos os campos de refugiados saarianos.

Nas tarefas de resgate participam mais de 300 pessoas, entre efetivos de proteção civil, médicos, polícias e membros do Exército argelino, já atingido por uma tragédia similar em 2014.

Nesse ano 77 pessoas morreram na colisão de um Hércules C-130 na região montanhosa de Oum al Bouaghi, 500 quilómetros ao leste de Argel.

Um comunicado do Ministério argelino da Defesa indicou que o seu ministro, Gaid Salah, interrompeu uma visita de dois dias à Segunda Região Militar (oeste) e ordenou formar uma comissão de investigação para conhecer as causas deste acidente.

O general Salah expressou "as suas sinceras condolências às famílias das vítimas" deste trágico acidente, precisou o comunicado.