EFEGenebra

A Organização Meteorológica Mundial (OMM), dependente de Nações Unidas, valorizou hoje o gesto do Parlamento Europeu, que na quinta-feira declarou a "emergência climática" na UE, mas sublinhou que a comunidade científica prefere não utilizar esse tipo de termos de alarme.

"Como representantes da comunidade científica, não usamos termos como 'emergência climática' ou 'crise climática', mas este tipo de declarações podem ajudar e ser muito úteis", reconheceu em conferência de imprensa a porta-voz da organização Clare Nullis.

"Precisamos de passos em frente, e também esperamos que na próxima COP25 de Madrid possamos encorajar os diferentes países a tomar ações e medidas concretas e sólidas para reduzir as emissões de gases de efeito de estufa", acrescentou a porta-voz.

O Parlamento Europeu declarou esta quinta-feira em Estrasburgo a "emergência climática" na União Europeia, o que torna a Europa no primeiro continente a fazê-lo, a poucos dias do início da cimeira do clima de Madrid (COP25).

A emergência formalizou-se numa breve resolução de dois parágrafos acordada entre a Aliança de Socialistas e Democratas, Renovar Europa e a Esquerda Unitária Europeia, que foi apoiada também por parte do Partido Popular Europeu e pelos Verdes, apesar de que estes últimos procuravam uma declaração mais ambiciosa.

Uma das primeiras a reagir à declaração foi a jovem ativista sueca pelo clima Greta Thunberg, que na sua conta de Instagram, escrevendo a bordo do catamarã no qual atravessa o Atlântico rumo a Lisboa, disse estar "impressionada" pelo gesto do Parlamento Europeu.