EFEBudapeste

As sanções da União Europeia (UE) contra a Rússia pela sua agressão à Ucrânia são "erradas e perigosas", ideia defendida esta sexta-feira em Paris pelo primeiro-ministro húngaro, o ultranacionalista Viktor Orbán, e a líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen.

Os dois políticos pediram a unidade "dos partidos europeus que representam os valores tradicionais" para defender os cidadãos em tempos de guerra, segundo indicou o porta-voz de Orbán à agência de notícias húngara MTI.

O porta-voz acrescentou que "está claro que não se pode confiar nos burocratas de Bruxelas nem nos partidos de esquerda para defender os cidadãos e as famílias europeias".

Orbán e Le Pen abordaram temas relacionados com a guerra na Ucrânia e as suas consequências, assim como sobre a inflação e "as políticas de sanções erradas e perigosas de Bruxelas", acrescenta a MTI.

Hungria rejeitou abertamente incluir o embargo do crude russo no sexto pacote de sanções da União Europeia (UE) contra a Rússia devido ao impacto económico que teria.

Orbán é considerado o aliado mais próximo dentro da UE do presidente russo, Vladímir Putin, com quem partilha interesses económicos e uma agenda ultraconservadora.

O Governo húngaro anunciou esta quinta impostos aos lucros extraordinários de grandes empresas, como bancos, seguradoras e companhias elétricas, para compensar a inflação e o aumento dos preços da energia.