EFECidade do Vaticano

O papa Francisco pediu esta quarta-feira aos pais, durante a audiência geral celebrada no sala Paulo VI do Vaticano, que acompanhem e não condenem um filho com uma diferente orientação sexual.

"Penso nos pais perante os problemas dos seus filhos", refletiu o pontífice, que indicou os "que veem as orientações sexuais" dos seus discípulos e pediu "acompanhar os filhos e não se esconder em comportamentos de condenação".

Francisco continuou a falar dos pais que perdem os seus filhos por doença ou por acidentes de trânsito, assim como os que veem os filhos sem poder ir à escola.

"Tantos problemas dos pais, pensamos em como ajudá-los. A eles eu digo: não tenham medo. Há tanta dor, mas pensem no Senhor e em como José resolveu os problemas. Nunca condenem um filho", acrescentou.

O papa recordou quando em Buenos Aires via as filas frente às prisões e "ali estavam as mães, aquelas mães que, perante o problema de um filho que tinha cometido um erro, davam a cara, não o esconderam e acompanharam, sempre. Que valor".

Francisco sempre condenou a rejeição dos filhos homossexuais nas famílias, e no seu regresso de uma viagem à Irlanda em agosto de 2018, quando os jornalistas lhe perguntaram no avião o que diria aos pais de um filho, respondeu: "Ignorar um filho ou filha com tendências homossexuais seria uma falta de maternidade e paternidade. És meu filho ou filha como és".